Mudança de endereço: desconcertos agora está no WordPress!

Mudou? Mudei! Outra vez? Outra vez! Agora o Desconcertos atende no

http://desconcertos.wordpress.com/

O fato é que aqui no uol tinha uma série de coisinhas chatinhas que estavam me torrando o saco que, pelo menos por enquanto, o Wordpress está parecendo bem melhor. Fui lá numa de entender por que estava sendo tão falado e acabei gostando do recanto. Ainda falta arrumar a casa, colocar os links direitos, passar o espanador, mas estou me sentindo em casa e é ali que vou colocar meus escritos.

o Fotoblog também nunca me satisfez, mas continua aqui (http://desconcertos.nafoto.net/) até arrumar espaço melhor. Vou tentar o tão falado flick, talvez. Ou, se alguém tiver uma sugestão, me dá um toque.

abraços



Escrito por Claudinei Vieira às 04h34
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


HAIR

When the moon is in the Seventh House
And Jupiter aligns with Mars
Then peace will guide the planets
And love will steer the stars

This is the dawning of the age of Aquarius
The age of Aquarius
Aquarius!
Aquarius!

Harmony and understanding
Sympathy and trust abounding
No more falsehoods or derisions
Golden living dreams of visions
Mystic crystal revalation
And the mind's true liberation
Aquarius!
Aquarius!

When the moon is in the Seventh House
And Jupiter aligns with Mars
Then peace will guide the planets
And love will steer the stars

This is the dawning of the age of Aquarius
The age of Aquarius
Aquarius!
Aquarius!

(uma pequena homenagem minha ao meu amigo Ademir Muniz. VAleu, camarada)



Escrito por Claudinei Vieira às 12h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Primeira imagem de "É de Manhã"

"É de Manhã" é o nome do meu primeiro curta-metragem de ficção, o qual finalmente foi finalizado e editado. Ainda vou falar bastante dele (sem dúvida!). Por enquanto fica essa imagem da atriz principal, a Luciana Gattamorta.



Escrito por Claudinei Vieira às 07h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


dia 05 de Maio os Poetas vão à Galeria

Ano passado fizemos esse encontro na Coletivo Galeria, em Pinheiros, São Paulo. Desconcertante, em todos os sentidos plenos e absolutos da palavra. A poesia jorrou, letras e músicas, poetas e músicos, cerveja e vinho. A energia que palpitava nessa noite arrebentaria uma usina hidrelétrica. Foi um dos momentos mais especiais que tive na vida.

Este ano a poesia retorna à galeria. E tem tudo para repetir o mesmo efeito. Marcelo Montenegro, Mário Bortolotto, Pierre Masato, Fabiana Faleiros, Paula Klaus, Sérgio Mello, Ricardo Carlaccio, Fábio Brum, jam e pocket-show do 'Saco de Ratos Blues', já estão confirmados.

Poetas na Galeria.



Escrito por Claudinei Vieira às 07h41
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


FOTOBLOG DO DESCONCERTOS EM SUPER-AÇÃO!

Depois de um tempo sem atualizações o FOTOBLOG DO DESCONCERTOS volta turbinado, com algumas fotos que demorei um pouco a postar, mas agora estão presentes: teve o lançamento de 'Você me deixe, viu?Eu vou bater meu tambor!" da Cidinha da Silva; teve os Desconcertos, Na Paulista com a Maria José Silveira, e o Eróticos, com o Xico Sá, Luiz Roberto Guedes e Glauco Mattoso (Douglas Diegues nâo pôde aparecer mas fizemos questão de ler textos seus); do dia 26 para o 27 teve a emocionante apresentação do Marcelo Montenegro, Fábio Brum, Fábio Pagotto e a presença fantástica do mestre Chacal no Tranqueiras Líricas . Foi o dia e a noite da Virada, do qual pincei momentos na Casa das Rosas, onde permaneci: conheci a poeta Larissa Marques, trombei com amigos queridos, teve Tom Zé e show de tango, enfim, o Fotoblog não dá a dimensão total da coisa, não é possível, mas dá para ter uma idéia. Está tudo AQUI no Desconcertos em Foto!  

 

Marcelo Montenegro, Chacal; Xico Sá, Glauco Mattoso, ao fundo

 

Maria José Silveira; Cidinha da Silva

 

na Virada; Larissa Marques



Escrito por Claudinei Vieira às 07h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


JULIETTE DROUET

Vitor Hugo, autor de "Notre Dame de Paris" (ou "O Corcunda de Notre Dame"), "O Homem que Ri", "Os Trabalhadores do Mar" e "Os Miseráveis", foi um dos meus primeiros e principais ídolos do começo da minha vida inteligente, isto é, desde o momento em que eu comecei a ler. A literatura francesa e a russa foram as que fizeram a minha cabeça naquela época (depois foi a latino-americana; a brasileira veio muito depois, custou a acontecer). Os russos com Dostoievski, Gogol, Gorki. Os franceses com Alexandre Dumas, Julio Verne, o grandioso Balzac. E Vitor Hugo.

Há, em torno de Hugo, uma aura irremediavelmente romântica que descobri quando comecei a ler uma coleção de suas obras na biblioteca perto da minha casa. Um dos últimos volumes era sua biografia. Minha admiração e entusiasmo cresceram extraordinariamente. O cara foi fodido. Ainda na adolescência lançou um livro de poemas que o tornou conhecido como gênio precoce e foi base do movimento romântico francês; como dramaturgo, assumiu a liderança do movimento ao abalar as bases da dramaturgia tradicional dominada pelo Classicismo; como romancista, escreveu obras imortais que até hoje impressionam; como político foi um liberal de centro-esquerda que lutou contra a semiditadura do sobrinho de Napoleão Bonaparte do melhor modo que conhecia: escrevendo. Impedido de exercer sua magistratura, exilou-se por conta própria na Inglaterra e prometeu que só voltaria para a França quando Luís Bonaparte saísse do poder; isso demorou vinte anos, mas nunca arredou pé. Morreu idolatrado e amado pelo povo francês. Possível ser mais Romântico do que isso?

Além de tudo isso, era bonitão. Um verdadeiro galã. E um galinha de marca maior. Teve centenas de amantes durante a vida inteira. Ele corria atrás mesmo e elas caíam aos seus pés. Era impressionante. Com um detalhe: sempre ficou casado com a mesma mulher. Adele Foucher deve ter comido milhões de sapos durante este tempo todo, com as presepadas do marido. Ela agüentou calada e nunca quis se divorciar ou algo pelo estilo. Um dos símbolos máximos do antifeminismo, então? A autêntica mulher-de-malandro-francês? Sei lá.

O que sei é que estava eu lá lendo aquela tal biografia (cuja linguagem castiça e moralismo pudico me exasperavam; o autor fazia malabarismos para deixar de lado os detalhes mais picantes) quando viro uma determinada página e vejo uma pintura... dela. Juliette Drouet. O meu coração deu um salto. E me apaixonei na hora. Minhas entranhas que há horas estavam se corroendo de inveja do poeta deu um salto brusco. A inveja virou quase ódio. Puro despeito.

Juliette Drouet era atriz. As peças eram garantia de sucesso se ela estivesse no elenco. Sua beleza era notória, foi cantada em versos e prosa e foi retratada por vários pintores, sendo que seu retrato mais famoso era o que estava no livro. Fiquei tão fascinado que não conseguia tirar os olhos. Foi paixão mesmo. Absoluta. Vitor Hugo também sentiu a mesma paixão e ficou de quatro por Juliette. Não faço a mínima idéia se ela chegou a resistir ou se a paixão foi recíproca desde o primeiro momento. O fato é que ela abandonou a carreira de atriz e qualquer possibilidade de carreira para ser a amante 'principal' de Hugo em um relacionamento que durou, por baixo, uns quarenta anos. E ele manteve as duas casas, Juliette morou sempre perto da família, à 'disposição', e até onde entendi tudo isso era plenamente conhecido por todo mundo.

Será que estou sendo claro? Deixem-me repetir. Ele era uma figura mais do que pública; tinha uma mulher da qual nunca se separou; tinha uma amante cujo relacionamento 'estável' só acabou quando ele morreu; E ainda tinha as outras Centenas de amantes! as quais ele também nunca fez segredo. Que loucura.

Durante muitos anos não pensei nestas coisas; fazia questão de não lembrar. Aliás, atualmente nem mesmo leio Hugo, não suporto mais aquele romantismo agridoce, melodramático e exagerado ("Os Trabalhadores do Mar" continua bom e eu o releio constantemente, mas "Os Miseráveis" é insuportável). Juliette Drouet morreu em 1886; isso significa que em 2006 foi de cento e vinte anos de sua morte. Até que há poucos dias, tornei a ver o retrato dela. Sabem o que é pior? É até melancólico e de uma bobice tremenda confessar, mas é verdade.

Continuo apaixonado.



Escrito por Claudinei Vieira às 07h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


poemagem: POEMA BRANCO



Escrito por Claudinei Vieira às 07h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


De Virada

claro que haverá muita coisa imperdível, para todos os gostos e posicionamentos ideológicos, culturais, existenciais e o que mais.

É que, simplesmente, algumas coisas são mais imperdíveis do que outras, em minha modestíssima opinião. A Casa das Rosas será um dos epicentros disso. Por exemplo: os Desconcertos. 15:00 com a Maria José Silveira. Se não entende a importância dessa escritora no contexto literário brasileiro destes últimos anos, basta se informar um pouquinho. Ou bater um papo conosco e conhecer um pouco mais de sua literatura e atuação. Ás 19:30, o Desconcertos Eróticos (gentilmente chamado pelo Guedes de 'Sarau Pornoerótico', com figuras do naipe do Xico Sá, Glauco Mattoso, Luiz Roberto Guedes, e a 'presença poética' do selbaje portunhol do Douglas Diegues. Dizer imperdível é pouco e repetitivo. Mas repito: imperdível.


a noite só começa: terei a oportunidade e o prazer de conhecer, ao vivo, isto é, não virtualmente, a poeta Larissa Marques, que estará autografando seus livros, pelas 19:00. Vou assistir ao Tom Zé (já assisti a tantos shows dele, poderia se pensar que cansaria; mas, não cansa; o prazer é inesgotável). Para quem não conhece, as 02:30 de sábado para domingo, Tranqueiras Líricas, um dos espetáculos seminais, absolutamente clássico, absurdamente bonito, de música e poesia que já rolou por estas terras paulistânicas e que deveria ser conhecido por qualquer pessoa com um mínimo de inteligência e sensibilidade. É poesia / música / música / poesia do mestre-poeta contemporâneo Marcelo Montenegro acompanhado pela guitarra fenomenal de Fábio Brum e baixo de Fábio Pagotto.

Quer dizer, imperdível e etc e tal.

Isto é, Imperdível, etc e tal.


Tranqueiras Líricas com Marcelo Montenegro, Fábio Brum ao fundo

 

De Marcelo Montenegro: "De sábado pra domingo, às 2 e meia da manhã, apresento minhas Tranqueiras Líricas, na Casa das Rosas, durante a Virada Cultural. Legal pra caramba fazer de novo, digamos, o “espetáculo” inteiro, depois de uma porrada de apresentações curtas no ano passado, com vários chapas escritores e músicos, entre CEPs e Populares. Botei alguns poemas novos na parada e vai ser a primeira vez que farei com percussão, a cargo de Rick Vechione. Completam a cozinha os brothers e músicos fudidaços Fábio Pagotto no baixo e Fábio Brum - já comparsa das antigas - na guitarra. A velha história: literatura na tomada, com pique de jazz e rythm´blues. A Casa das Rosas fica na Av. Paulista, 37. Quem puder ajude espalhar o treco e, claro, apareçam. Grande abraço, Marcelo Montenegro."
 
--------------------------------------
Orfanato Portátil
http://marcelomontenegro.blog.uol.com.br

 


Programação da Casa das Rosas agita a
Virada Cultural Municipal nos dias 26 e 27.04

Programação eclética inclui maracatu, peça de teatro, poesia, quarteto de cordas, shows de Tom Zé,  Kléber Albuquerque, Marcelo Montenegro, Cecilia Aimé e  Lula Barbosa, além de café da manhã para o público.

Tom Zé, Glauco Mattoso, Cecília Aimé, Kléber Albuquerque, Douglas Diegues, Xico Sá, Luiz Guedes e Lula Barbosa são algumas das 12 atrações da extensa programação, totalmente gratuita, que a Casa das Rosas preparou com produção da APAA – Associação Paulista dos Amigos das Artes, e a realização da Secretaria de Estado da Cultura para a Virada Cultural Municipal 2008, que acontece no sábado e no domingo, dias 26 e 27.04. Veja abaixo programação completa.

CASA DAS ROSAS

Sábado – 26.04

13h30
ARRASTÃO COM A CIA. CARACAXÁ
Apresentação musical
Concentração às 13h30 no vão livre do MASP – Av. Paulista 1.578
Apresentação às 14h no jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

A Cia Caracaxá conta com cerca de vinte integrantes que pesquisam o Maracatu de Baque Virado, também conhecido como maracatu-nação. Eles percorrerão a Avenida Paulista inaugurando a programação da Virada Cultural na Casa das Rosas. O conteúdo abordado tem como inspiração os Carnavais de Recife os diversos folguedos populares da Cultura Regional Pernambucana.
Em seu repertório, a Cia. canta toadas próprias e de maracatus tradicionais, buscando a reprodução fiel dos diferentes toques de cada Nação. Os giros, passos ritmados e figurinos típicos das Nações de Maracatu unidos à força e vigor da Alfaia de Macaíba acentuam a sincronia do grupo.

15 h
DESCONCERTOS NA PAULISTA
Entrevista pública
Hall de entrada
50 cadeiras

Claudinei Vieira conduzirá entrevista com a romancista, cientista política e antropóloga Maria José Silveira. Haverá debate público com leituras de textos de sua autoria.
Maria José Silveira nasceu em Jaraguá, Goiás. Graduou-se em comunicação pela UnB e é mestre em Ciências Políticas pela USP. É antropóloga pela Universidade Nacional Mayor de San Marcos, de Lima, no Peru, e é autora de dois ensaios: “Produción, parcelaria y universo ideológico – El caso de Puqio” e “Campesinato y ideologia”.
Em 1980, fundou a Editora Marco Zero, da qual foi diretora até 1998. Em 2002, estreou como romancista, com a publicação de “A mãe da mãe de sua mãe e suas filhas”, cujos direitos foram adquiridos pela TV Globo para produção de minissérie.

16h30
COMO COMPOR UMA CANÇÃO DE SUCESSO
Teatro de Rua – Núcleo Arruaça!
Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

Direção e Concepção: Ana Roxo e Cristiano Meireles
Com: Aline Anfilo, Ana Roxo, Carolina Nagayoshi, Cris Meireles, Eder Lopes, Marcos Reis, Tabata Makowski, Thais Navas e Vlamir Sibila
Uma banda de pouca identidade, mas capaz de assumir muitas, está procurando qual é o melhor estilo que pode levá-la ao sucesso. Através de longas pesquisas eles descobrem como compor um sucesso em qualquer ritmo. No espetáculo eles apresentam esses mecanismos à platéia e com a ajuda dela comporão três "rits".

18 h
RASCUNHOS POÉTICOS
Recital de poesia
Hall de entrada
50 cadeiras

Recital de poesias de autoria dos alunos da Casa das Rosas no curso Rascunhos Poéticos, ministrado por Carlos Savasini e Osvaldo Pastorelli.
O grupo de criação poética baseia-se na escrita estimulada pela apresentação de temas: poesias, textos em prosa, músicas, imagens, filmes, e objetos. O trabalho que será apresentado conclui o curso de março e abril de 2008.

19h SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM A AUTORA LARISSA MARQUES
Hall de entrada

A poeta de Sobradinho/DF estará na Casa das Rosas durante a noite autografando dois dos três títulos que fazem parte de “A Trilogia do Conflito”: Infernos Íntimos - parte "She" da trilogia poética; e O Oco e o homem - parte "He", que completa a trilogia de Larissa Marques.


19h30
DESCONCERTO ERÓTICOS
Recital de Poesia
Hall de entrada
50 cadeiras

Os consagrados autores Glauco Mattoso, Douglas Diegues, Xico Sá e Luiz Roberto Guedes farão leituras de seus poemas eróticos.
Glauco Mattoso: Ícone da poesia marginal insurgida nos anos 70. Seu mais novo livro é “A Aranha Punk”, sonetos contemporâneos. Destaca-se pela irreverência e pelo sarcasmo desde seu “Jornal Do Brábil”, publicado de forma independente no início dos anos 80.
Douglas Diegues: Nasceu no Rio de Janeiro, mas foi criado em Ponta Porã (MS), fronteira do Brasil com o Paraguai. Seu estilo mescla influências culturais e lingüísticas do vasto oeste fronteiriço. Seu mais recente livro é “O Astronauta Paraguayo”.
Xico Sá: Xico Sá nasceu em Santana do Cariri, no Ceará, mas por ter crescido em Recife, se considera "meio cearense, meio pernambucano, mas macho acima de tudo". Ele mantêm o site Capapuceiro, e escreve em diversos jornais e revistas.
Luiz Roberto Guedes: nasceu em São Paulo, é poeta, escritor e tradutor. Letrista de música popular sob o pseudônimo de Paulo Flexa.  Publicou, entre outros, os livros “O mameluco voador”, “Calendário Lunático” e a antologia de poemas “Paixão por São Paulo”.

21 h
CECILIA AIMÉ – O Tango e Borges
Apresentação de música e poesia
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

A apresentação O Tango e Borges traz a relação entre os diferentes e notáveis temas do tango e a poesia de um dos maiores autores hispano-americanos,  Jorge Luis Borges. A cantora de tango argentina  Cecilia Aimé será acompanhada pelo músico argentino Claudio Votta (teclado), pelo bandoneonista uruguaio César Cantero e pelos atores brasileiros Gloriete Rodrigues e Marcio Lousada.

23 h
TOM ZÉ
Apresentação Musical
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

Antônio José Santana Martins, baiano nascido de 1936, é compositor, ator, cantor, arranjador, intérprete irreverente. Estará com sua banda no palco da Casa das Rosas no momento da virada do dia 26 para 27 de abril, trazendo repertório variado: seus sucessos antigos e os atuais, do seu último CD Danç-Êh-Sá, considerado entre os dez melhores do ano pelos críticos do jornal  "O Estado de São Paulo". Um artista multifacetado, multi-instrumentista, uma das figuras mais originais da música brasileira. Um dos líderes do movimento Tropicália, vencedor de diversos prêmios nacionais e internacionais, é tema de mais de duzentos trabalhos acadêmicos, filmes e centenas de artigos. É o Tom Zé e dispensa apresentações.

Domingo- 27.04

01 h
KLÉBER ALBUQUERQUE
Apresentação musical
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

Kleber Albuquerque, paulista de Santo André, apresenta suas canções que trafegam por gêneros distintos como o rock, o samba, o blues, a bossa e até a opereta. 
Músico e compositor, Kléber estudou música na Fundação das Artes, em São Caetano, e fez canto popular e erudito na Universidade Livre de Música, em São Paulo. Tem quatro CDs lançados, sendo o elogiado “Desvio” o mais recente trabalho. Suas canções já foram gravadas por Ceumar, Rubi, Miriam Maria, Ladja Betânia, Roseli Martins, Selmma Carvalho e Eliana Printes. Tem parcerias com Zeca Baleiro, Dante Ozzetti, Sérgio Natureza, Tata Fernandes, Flávio Alves, Ceumar, Rubi, Élio Camalle, Luiz Gayotto, Madan, entre outros.

02h30
TRANQUEIRAS LÍRICAS
Apresentação de música e poesia
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

O poeta Marcelo Montenegro, ao lado do guitarrista e parceiro Fábio Brum, fará uma apresentação de blues com poemas de seus livros “Orfanato Portátil” e “Hemingway Hotel”. O espetáculo, que também já passou por Rio de Janeiro, Londrina e Curitiba (PR) e é referência na intersecção entre literatura e música no palco, contará com a participação de músicos convidados.

03h30
LULA BARBOSA: SERESTA, O CANCIONEIRO DA PERDA
Apresentação musical
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

Lula Barbosa, reconhecido músico e compositor, trará o repertório das serestas, passando por alguns nomes como Sylvio Caldas e Chico Buarque. Artista de projeção nacional, Lula obteve a segunda colocação no badalado Festival dos Festivais, da TV Globo, com a canção “Mira Ira” (parceria com Vanderlei de Castro). Suas músicas foram gravadas por diversos nomes prestigiosos da música brasileira, como Roberto Carlos, Fábio Jr e Jair Rodrigues.  Seu trabalho “A Voz do Violão”, de 1994, foi indicado ao Prêmio Sharp, e “Amigos, Sonhos e Canções”, de 2005, indicado ao Prêmio TIM. Atualmente, prepara um novo CD, o oitavo da sua carreira, com 15 canções inéditas compostas em parceria com o poeta mineiro Ricardo de Castro. 


04h30
KROMA
Apresentação musical
Palco externo – Jardim da Casa das Rosas
Vagas ilimitadas

Uma proposta camerística. Assim podemos definir o trabalho do quarteto de guitarras elétricas KROMA, formado no final de 1999 pelo guitarrista Heraldo Paarmann e que conta com Alexandre Spiga, Alexandre de Orio e Igor de Bruyn. O KROMA, que tem no repertório músicas de Pixinguinha e John Lennon a Mozart e Villa-Lobos, busca um conceito sonoro encorpado, com a utilização de “vibratos”, passagens de vozes separadas, flexibilidade, precisão, leveza, adaptação de detalhes da escrita do compositor às características sonoras da guitarra e a busca de uma homogeneidade timbrística entre frases sonoras.
06 h
CAFÉ DA MANHA
No café da Casa das Rosas
Haverá distribuição de 200 senhas às 5h30

Café da manhã será distribuído ao público. Pães, bolos, sucos e café.

15 h
A CASA É UM PALCO - Coletivo VACAMARELA e convidados
Hall de entrada
50 cadeiras

Sarau de lançamento do 8º número de O Casulo – Jornal de Literatura Contemporânea – edição especial com poetas de São Paulo, que estarão presente declamando seus poemas.


Virada Cultural na Casa das Rosas
Realização: Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo
Produção: APAA - Associação Paulista dos Amigos da Arte
Data: sábado e domingo (26 e 27.04)
Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
 Avenida Paulista, 37 – Bela Vista – Estação Brigadeiro do Metrô
 Tel: 11 3285-6986
site:
http://www.apaacultural.org.br/casadasrosas
Entrada: gratuita



Escrito por Claudinei Vieira às 00h26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


DESCONCERTOS E DESCONCERTOS NO DIA 26 DE ABRIL

Os DESCONCERTOS NA PAULISTA são encontros com os escritores responsáveis pelo melhor da literatura brasileira contemporânea. 
 
Eu convido o autor a trazer e compartilhar com o público três textos: um texto de um escritor reconhecido que considere seja muito importante para sua própria escrita; mais um texto de autoria própria, e por último um texto de algum novíssimo escritor que o convidado acredita ter potencial num futuro próximo. E em seguida, batemos um papo aberto e informal. Neste dia 26 de Abril (abrindo as atividades da Virada Cultural em São Paulo), terei o prazer de conversar com MARIA JOSÉ SILVEIRA, uma pessoa ligada profundamente ao mundo da literatura, não só como escritora como editora, com muita história para contar. Autora de "A Mãe da Mãe de sua Mãe e suas Filhas", «O Fantasma de Luis Buñuel», entre outros. Na Casa das Rosas, Avenida Paulista, 37, dia 26 de Abril, 15:00 hs.
 
Logo após, as 19:30, o DESCONCERTOS DE POESIA ERÓTICA, ou mais simplesmente, sem frescuras, DESCONCERTOS ERÓTICOS. Vou receber Glauco Mattoso, Luiz Roberto Guedes, Xico Sá e sua verve deliciosamente desavergonhada. Douglas Diegues, e seu vigoroso portunhol selbaje também convidado, estamos tentando trazê-lo do Paraguai onde vive atualmente.
 
Este vai ser na Casa das Rosas, Avenida Paulista, 37, dia 26 de Abril, 19:30.
 
Desconcertemos, portanto.



Escrito por Claudinei Vieira às 16h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Aniversário de Fernanda D´Umbra

Fernanda D´Umbra no show do 'Fábrica de Animais', realizado no Bourbon Street, em foto antológica do Edinho Kumasaka

Que virada cultural, nada. O Marcelino que me perdoe, mas Balada Cultural também não. Nem os Desconcertos, nem. Este é o verdadeiro acontecimento cultural da cidade de São Paulo deste ano. Cultural, artístico, pessoal, e sei lá mais o que. Do tipo como se o coração estivesse batendo do lado de fora do peito, pulsante, formidável. Vivo. Fernanda D´Umbra convida para o seu aniversário. No Juke Point!

"O ESTRANHO MUNDO DE FLÁVIO VAJMAN

DOMINGO 20 DE ABRIL
É o dia do meu aniversário.
Farei uma grande festa, como há muito não faço, no Juke Joint.
No palco do Juke: La Carne, Fábrica de Animais, Paulo de Tharso, Célio Brant e mais uma pá de gente que será cooptada até domingo.
Faltará o Mário, que estará filmando até as 10h30 da segunda. O homem é trabalhador.
No dia seguinte: feriado.
Fazer aniversário em véspera de feriado é bom, vou dizer.
Até o final da semana, dou mais detalhes.
Ah! Importante: não se paga nada para entrar.
Leve seus duzentos amigos.

------------

"Eu brigo com o Flávio às vezes. Xingo e o caralho. Mas logo depois, como se a gente fosse da mesma família, estamos conversando e resolvendo coisas e ligando pro cara do piano, decidindo que dia é melhor pro show tal, enfim... segue a dança.
No Domingo, comemoro em sua casa meus 37 anos.
Pedi ao Flávio que não houvesse ingresso no dia do meu aniversário, então ele me pediu que desse um toque nas pessoas para que levassem leite em pó.
Ele já tá nessa de leite em pó desde o último show. Enchendo o saco com essa história de leite em pó. 
E por que? Porque esse leite alimentará as crianças internadas no Hospital Emílio Ribas. Sim, soropositivas.
Crianças que convivem com o Flávio Vajman. Nosso amigo mal humorado faz lá um trampo voluntário.
O Flávio Vajman, ele mesmo. Eu já vi o Flávio brincando com crianças.
Elas são loucas por ele. Não se explica isso. É só uma coisa Bonita pra caralho.
E sobre a Beleza, bem... Esse tem sido o tema do Jazz.
Apareçam na festa, levem o tal leite.
Levem mesmo.
Agora vou correr para a aula.
Minha mãe e minha irmã estão em São Paulo.
Há muito não as via. Queria tirar o dia para ficar em casa com elas sendo lambida.
Mas tá tudo certo.
Tá um puta sol lá fora. Divirtam-se."

Fernanda D´Umbra, 'Sem Gelo - Um Blog Puro'



Escrito por Claudinei Vieira às 05h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


DIA 26 DE ABRIL: DESCONCERTOS POR AÍ.

DESCONCERTOS NA PAULISTA com MARIA JOSÉ SILVEIRA. E DESCONCERTOS ERÓTICOS com Xico Sá, Glauco Mattoso, Luiz Guedes e Douglas Diegues.

  

Depois de uns tempos um tanto ou quanto complicados no final do ano passado e começo desse, parece que algumas coisas vão se encaixando. Os agitos estão acontecendo. Projetos se concretizando. Tá bonita a festa, pá, e ao que tudo indica vai se prolongar. Um filme, um curta. Um livro (ou dois). Um show, um espetáculo. Encontros e bate-papos. Desconcertos no ar. Aos poucos, tudo indicarei. À medida que aconteçam, terei sempre o inexaurível prazer de compartilhar cada momento.  

Dia 26 de abril será um dia emblemático (gosto da palavra 'emblemático', é bonita, gostosa de usar, e até já virou um clichê, embora não tanto quanto 'paradigma', que também gosto mas que perdeu o sabor de tanto uso).

Na Casa das Rosas. Avenida Paulista, 37. Ao lado do metrô Brigadeiro.

15:00 - Desconcertos na Paulista com Maria José Silveira, autora de «Eleanor Marx, Filha de Karl.» e «O Fantasma de Luis Buñuel».

19:30 - Desconcertos Eróticos,  um encontro com a poesia deliciosamente desavergonhada de Xico Sá, Glauco Mattoso, Douglas Diegues e Luiz Roberto Guedes.

Diz aí. No mínimo, será um dia desconcertante.

Os DESCONCERTOS NA PAULISTA são encontros com os escritores responsáveis pelo melhor da literatura brasileira contemporânea. 

Eu convido o autor a trazer e compartilhar com o público três textos: um texto de um escritor reconhecido que considere seja muito importante para sua própria escrita; mais um texto de autoria própria, e por último um texto de algum novíssimo escritor que o convidado acredita ter potencial num futuro próximo. E em seguida, batemos um papo com o público.

MARIA JOSÉ SILVEIRA

Escritora e tradutora, Maria José Silveira é formada em Comunicação (pela Universidade de Brasília); em Antropologia (pela Universidad Nacional Mayor de San Marcos – Lima, Peru); e mestre em Ciências Políticas (pela Universidade de São Paulo). Foi sócio-fundadora e diretora da Editora Marco Zero. Publicou seu primeiro romance, “A Mãe da Mãe de sua Mãe e suas Filhas” em 2002, quando recebeu o prêmio APCA de Escritora Revelação. A partir daí, dedica-se apenas a escrever, tendo publicado desde então quatro romances, e vários livros infanto-juvenis.
LIVROS PUBLICADOS

ROMANCES

 - “A Mãe da Mãe de sua Mãe e suas Filhas”, Editora Globo/ São Paulo, 2002.
Romance que recebeu o prêmio APCA 2002 Revelação e seus direitos para minissérie foram adquiridos pela TV Globo. Em segunda reimpressão.

- «Eleanor Marx, Filha de Karl.», editora Francis/ São Paulo, 2002.
Traduzido para o espanhol e publicado no Chile por LOM Ediciones, em 2005 e na espanha por Txalaparta, 2006.

-  «O Fantasma de Luis Buñuel», editora Francis/São Paulo, 2004 . Recebeu Menção Honrosa do Prêmio Nestlé de Literatura de 2005. Foi indicado como leitura para os vestibulandos de 2006 e 2007 da Universidade Federal de Goiás. Em segunda reimpressão.

- “Guerra no Coração do Cerrado”, editora Record, Rio de Janeiro, 2006.

-------------------------------------------------------------------

DESCONCERTOS ERÓTICOS



Escrito por Claudinei Vieira às 04h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Cidinha da Silva, Leandro Jardim, Sylvio Back: dias agitados, lançamentos e encontros, literatura em alta!

  

Mazza Edições convida para o lançamento do livro 
Você me deixe, viu?Eu vou bater meu tambor!
de Cidinha da Silva

15 de abril, terça-feira, às 19 h
Local: Ação Educativa
Rua General Jardim, 660 – Vila Buarque
São Paulo – SP  •  Inf.: (11) 3151-2333

Novo livro da escritora Cidinha da Silva terá lançamento em vários estados do país
por Rosane Borges*

Já encontra-se à disposição o mais novo livro da escritora Cidinha da Silva, Você me deixe, viu? Eu vou bater meu tambor! (Mazza Edições, Belo Horizonte, 2008). Trata-se de uma publicação zelosa em que se pode a cada página perceber o esmero: prefaciado pela doutora Maria Nazareth Soares Fonseca, professora de Literatura da PUC Minas, apresentado, na orelha, pelo cineasta Jeferson De, e ilustrado sob a pena da artista Lia Maria, o livro é timbrado pela leveza, ironia requintada e sonoridade, fazendo-nos nos lembrar, vez por outra, a sonoridade de alguns poetas africanos.

Estruturado em um conjunto de 26 textos, entre crônicas e mini-contos, Você me deixe, viu? Eu vou bater meu tambor! é o segundo livro de literatura da escritora (o primeiro é Cada tridente em seu lugar, lançado em 2006 e reeditado em 2007) que brinda os(as) leitores com recursos literários sutis, mas nem por isso menos sofisticados. O eixo ordenador do livro gira em torno das afetividades, da sexualidade, do amor, do corpo, e é construído a partir das relações perturbadoras entre mulheres e homens, subvertidas criativamente pelos infindáveis modos de vida que se tecem no universo cotidiano de cada um(a). Relações aplacadas, inacabadas, conflituosas, são esquadrinhadas por Cidinha, que mais uma vez nos oferece a possibilidade de nos (re)visitar a partir da arquitetura que constrói as moradias efêmeras do outro, espelhadas em cada leitor(a).

Sobre a escritora - nascida em Belo Horizonte, Cidinha da Silva é historiadora, diretora do Instituto Kuanza, escreve ensaios e histórias curtas. Escreve, ainda, artigos relacionados à temática das relações de gênero e raciais. É autora dos livros Cada tridente em seu lugar (2006, 2ª edição), Ações afirmativas em educação: experiências brasileiras (2003, 3ª edição),entre outros." Contatos: edmazza@uai.com.br ; cidinha.tridente@gmail.com


  

todas as vozes cantam*

"Você reparou no título deste livro? Ele é preciso em diversos sentidos. Entre outras coisas, fala da capacidade que todos têm de se tocar por poesia. E essa é justamente uma das principais tônicas do poeta Leandro Jardim: a poesia não é só para poetas e sim para qualquer um que tenha em si ao menos uma fagulha de sentimento.

Muitas de suas poesias, como 'Riscos' e 'Joaninhas de Copacabana' são uma refrescante oposição ao excesso de hermetismo e referências, tão em voga ultimamente.

Leandro Jardim alinhava versos com leveza e desenvoltura. Tudo tilinta, tudo é musical: as palavras, os jogos de idéias, o ritmo dos versos, a cadência das rimas. 'Desenho 3x4' chega a parecer uma melodia. 'Decisão' canta em versos curtos os extensos sentidos de algumas palavras.

Além disso, nesse mundo marcado pela Internet, há muitas vozes cantando. Entretanto, é fácil perceber que, embora muito se veicule, são poucos os que não se limitam a bater sempre na mesma tecla. Leandro Jardim é um poeta que estréia com muito a dizer. A inquietação é flagrante em poemas como 'Trilogia: palavra, poeta, poesia' e 'Algo de belo a dizer'.

Enfim, esse livro é o coro ecoante de suas tantas vozes. Umedeça o dedo na língua, abra os lábios do livro. Elas estão esperando. Vamos, a orelha já está aberta. Já não há remédio senão escutar."

(Nathalie Lourenço escreve no blog Sabedoria de Improviso)

* texto da orelha do livro

Lançamento TODAS AS VOZES CANTAM
15 de abril, 20 h no DA GRAÇA
Rua Pacheco Leão, 780
Jardim Botânico

AS MULHERES GOZAM PELO OUVIDO
Poemas eróticos de Sylvio Back
Gravuras de Géza Heller
80 páginas R$ 20,00
Selo Demônio Negro

Lançamento
Data: 16 de abril, Horas: 20:00hs,
Local: Livraria Dona Laura Livraria (Casa de Cultura Laura Alvim),
na Av. Vieira Souto, 176, tel. 2522.8362, em Ipanema.

Investindo numa vertente incomum e rala na lírica brasileira, a poesia erótico-fescenina, o selo Demônio Negro está lançando AS MULHERES GOZAM PELO OUVIDO, de Sylvio Back, a quarta incursão do cineasta-poeta no gênero. O livro é ilustrado com xilogravuras inéditas do arquiteto e artista plástico húngaro Géza Heller (1902-1992). Back retoma neste livro sua vocação pelo verso desmetaforizado para discorrer, como diz, sobre partes erógenas, os precipícios do corpo e as estrupulias do ato sexual sem rebuços ou meios-tons. E arremata: “a poesia empurece qualquer palavra. Não há palavra impura para o poeta”.

EROS & FESCÊNIA
Chamada de erótico-pornográfica ou, pejorativamente, poesia pornô e de sacanagem, ela freqüenta toda uma linhagem de ilustres cultores na história da literatura ocidental (de Bocaccio, Chaucer, Quevedo, Ronsard a Goethe; de Baudelaire, Rimbaud, Whitman, Apollinaire, Valéry, Verlaine aos lemericks ingleses; de Pierre Louÿs, Boris Vian a Neruda, etc.). Termo associado à cidade etrusca de Fescênia, o verso obsceno (literalmente, fora de cena), tem explícita origem na cultura popular. São estrofes lúbricas, picantes e de crítica moral que desde os clássicos romanos Catulo, Ovídio e Marcial, passando pelas medievais CANTIGAS D'ESCÁRNIO E DE MAL DIZER, pelo veneziano Aretino, pelo “Boca do Inferno” Gregório de Mattos, pelo português Bocage, aos nossos Bernardo Guimarães, Oswald de Andrade, os capixabas Paulo Vellozo, Jayme Santos Neves e Guilherme Santos Neves (autores do antológico CANTÁRIDAS), Manuel Bandeira e a Carlos Drummond de Andrade de AMOR NATURAL, representam — para muitos críticos — uma espécie de não-poesia. Até de negação do próprio fabro poético.

VERSO PROSCRITO
Por recorrer a um jargão cassado pela sua crueza, humor e nonsense, pelo tônus licencioso e bestialógico dos versos, e no entanto prática oral, de cordel e erudita de todos os povos civilizados, a poesia erótico-fescenina via de regra é censurada e censurável, quando não literalmente proscrita. Mesmo nestes tempos de extrema permissividade e exposição erótico-sexual. No Brasil de hoje poucos são os poetas (dentre eles, Augusto de Campos, Sebastião Nunes, Affonso Romano de Sant’Anna, Armando Freitas Filho, Glauco Mattoso, Affonso Ávila, Décio Pignatari, Douglas Diegues, Luiz Roberto Guedes, Rubens Rodrigues Torres Filho) que se arriscam nesse registro sem temer pela repercussão junto ao restante de sua obra.

SYLVIO BACK é cineasta, poeta, roteirista e escritor. Autor de trinta e seis filmes (o mais recente, LOST ZWEIG) publicou em 1986, O CADERNO ERÓTICO DE SYLVIO BACK (Tipografia do Fundo de Ouro Preto, Minas Gerais), seu primeiro livro de poemas. Depois, MOEDAS DE LUZ (Max Limonad, São Paulo, 1988), A VINHA DO DESEJO (Geração Editorial, SP, 1994), YNDIO DO BRASIL (Poemas de Filme) (Nonada, MG, 1995), BOUDOIR (Sette Letras, Rio de Janeiro, 1999); EURUS (7Letras, RJ, 2004), TRADUZIR É POETAR ÀS AVESSAS (Langston Hughes traduzido) (Memorial da América Latina, SP, 2005), EURUS BILÍNGÜE (português-inglês) (Ibis Libris, RJ, 2006) e KINOPOEMS (@-book) (Cronópios Pocket Books, SP, 2006). Tem igualmente editados livros de contos, ensaios e dez roteiros de seus filmes.

O Selo DEMÔNIO NEGRO é um projeto editorial de Vanderley Mendonça, sócio da Amauta Editorial, editora voltada para o intercâmbio literário entre o Brasil e demais países de línguas ibéricas. Além de escolher os autores, o editor desenha, imprime, costura, cola e monta cada exemplar. O acabamento varia a cada edição, do uso de papéis especiais, com fibras metálicas ou emborrachados, a montagens artesanais que dando aspecto diferenciado às edições: capas duras impressas com clichês e tinta tipográfica (substituindo tipos móveis por fotopolímero), hot stampping, offset ou impressão digital. As tiragens são sob demanda, por isso as edições nunca se esgotam. Os exemplares podem ser adquiridos diretamente com o editor pelo mail vanderleymeister@gmail.com , pelo www.sebobac.com.br e na Dona Laura Livraria, tel. 21-2522.8362.



Escrito por Claudinei Vieira às 08h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


CESAR VALLEJO NO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA

"No dia 14 de abril, às 19h30, o Memorial da América Latina, em conjunto com o Instituto Cervantes, presta uma homenagem ao poeta peruano César Vallejo (1892-1938), que neste ano completa 70 anos de morte. O evento conta com palestras, exibição de vídeo, leituras e musicalização de poemas.

"Vallejo é considerado um escritor universal, pois além de propor uma nova linguagem poética, retrata em seus trabalhos a alma e a dor humana – a ruptura formal vem acompanhada pelo desapego do homem em relação ao mundo que o cerca e até de si mesmo.

"O poeta nasce em 1892, em Santiago de Chuco, região andina localizada ao norte do Peru. Em 1910, muda-se para Trujillo e ingressa na Faculdade de Letras e Filosofia - oportunidade que lhe proporciona contato com um novo ambiente, cercado de jornalistas, intelectuais, escritores e artistas. Foi neste período de efervescência político-social que Vallejo toma conhecimento das idéias marxistas e da psicanálise. Lança seu primeiro livro "Los Heraldos Negros", em 1919.

"Em 1920, ao visitar a família em sua terra natal, envolve-se em conflitos sociais e acaba preso injustamente durante três meses. O episódio tem fundamental importância em sua vida e se reflete de maneira significativa em seu segundo livro, "Trilce" (1922). A obra é considerada fundamental pela renovação da linguagem poética hispano-americana, pois se afasta dos modelos tradicionais que até então eram seguidos, adotando uma linha mais modernista e realizando um angustiante e desconcertante mergulho nos abismos da condição humana.

"No ano seguinte, em Paris, participa com amigos como Huidobro, Gerardo Diego, Juan Larrea e Juan Gris de atividades de cunho vanguardista renunciando à sua própria obra "Trilce". Em 1927, aparece firmemente comprometido com o marxismo, escreve artigos para periódicos e revistas, peças teatrais, relatos e ensaios de intenção propagandistas, como "Rússia" em 1931.

"Inscrito no Partido Comunista da Espanha (1931), é designado para ser correspondente, acompanha os acontecimentos da Guerra Civil e escreve o seu poema mais político: "España, aparta de mi este cáliz', que aparece em 1939 impresso por soldados do exército republicano. Toda a obra poética produzida durante o período foi publicada parcialmente em diversas revistas, e foi só postumamente reunida sob o título: "Poemas humanos" (1939). Nesta produção é visível seu esforço em superar o vazio e o niilismo que vemos "Trilce" e em incorporar elementos históricos e da realidade concreta (peruana, européia, universal).

Vallejo morreu em Paris, em 1938. Desde então, embora curta, sua obra não cessou de influenciar as letras latino-americanas."

Programa:
19h30: Apresentação – Amalio Pinheiro
19h45: Comentário – Horácio Costa
20h: Vídeos, com Pedro Granados (poeta peruano, estudioso de Vallejo) e Antonio Moura (poeta e tradutor)
20h15: Tradução musical de poemas de César Vallejo, por Rica P.
20h30: Leitura de poemas de César Vallejo por Amalio Pinheiro, Horácio Costa, Coletivo Vaca Amarela e convidados.

Serviço:
César Vallejo
Data: 14 de abril, segunda-feira, às 19h30
Sala dos Espelhos – Auditório Simón Bolívar
Entrada: Portão 12
Estacionamento: portão 15 - R$ 10,00

Memorial da América Latina
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda (ao lado do metrô)
Entrada franca
Telefone: (11) 3823-4600

BARRO NU (Os Arautos Negros)

Erguem-se visagens fúnebres do lábio
como batráquios terríveis na atmosfera.
Pelo Saara azul da Substância
caminha um verso cinza, um dromedário

Fosforesce um esgar de pesadelos cruéis.
E o cego que morreu repleto de vozes
de neve. Madrugar o poeta , o nômade,
é um dia áspero para ser homem.

As Horas seguem febris e abortam
nos ângulos rubros séculos de ventura.
Quem corta o fio, quem desfaz
impiedosamente os nervos,
cordéis já gastos, na tumba?

Amor! E tu também. Pedras gastas
se delineiam na tua máscara que se rasga
Contudo, a tumba é
um sexo de mulher que conquista o homem!

(Trad. Jorge Henrique Bastos)

 

XIII (Trilce)

Penso em teu sexo.
Reduzido o coração, penso em teu sexo
diante do raiar maduro do dia.
Digito o botão da felicidade, está preparado.
E desaparece o sentimento antigo
degenerando com prudência.

Penso em teu sexo, o sulco mais fecundo
e harmonioso que o ventre da Sombra,
embora a Morte possa conceber e gerar
o próprio Deus.

Oh Consciência
penso, sim, no animal livre
que copula onde quer, onde pode.

Oh , escândalo de mel dos crepúsculos
oh estrondo mudo

odumodnortse!

(Trad. Jorge Henrique Bastos)



Escrito por Claudinei Vieira às 01h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Poemagem: TENHO POLUIÇÃO NAS VEIAS

 



Escrito por Claudinei Vieira às 06h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Devoradores, em lançamento na Casa das Rosas : Fotoblog em ação

  

Lançamento de DEVORADORES, de Astolfo Araujo, na Casa das Rosa, dia 11 de abril. FOTOBLOG EM AÇÃO aqui



Escrito por Claudinei Vieira às 06h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Outros sites
 DESCONCERTOS EM FOTO : Fotoblog
 PARALELOS - O Globo Online
 Rosebud Livros
 Ademir Assunção - Espelunca
 Adriana Lisboa - Caquis Caidos
 Ana Peluso - Poesfera
 Ana Rusche - Peixe de Aquário
 André Dahmer - Malvados
 Andrea Del Fuego
 Bactéria - Beco sem Saída
 Camilla Lopes - Joguei Tudo pela Janela
 Carlos Reichenbach - Reduto do Comodoro
 Carlos Carah - Bostumana
 Carol Helena
 Carola Medina - Diário da Carola
 Carolina Garcia - Beijeiobeijo
 Chacal - Chacalog
 Cidinha da Silva - Blog da Cidinha
 Claudio Daniel - Cantar a Pele de Lontra
 Crib Tanaka - Circulador
 Danny Boy - Em Busca do Biólogo Perdido
 Douglas Diegues - Portunhol Selvagem
 Efraim Medina Reyes - Pistoleros Putas y Dementes
 Elaine Pauvolid - Aliás
 Eliane Bortolotto
 Fabiana Vajman - A Grama do Vizinho
 Fábio Brum - Mula Manca
 Fernanda D´Umbra - Sem Gelo
 Fernanda Prats - Viés
 Fransueldes de Abreu - Uma Vida Anunciada
 Gabriela Kimura - Playground
 Gravataí Merengue - Imprensa Marrom
 Greta Benitez - Chocolate Amargo
 Idelber Avelar - O Biscoito Fino e a Massa
 Índigo - Diário da Odalisca
 Ivana Arruda Leite - Doidivana
 Jarbas Capusso - Uivos, Latidos & Fúria
 Jean-Claude Bernadet
 Jotabê Medeiros
 Lima Trindade - Verbo 21
 Luana Vignon - Fake Souvenir
 Lucia Carvalho - Frankamente
 Lui Penna
 Luis Nassif - Google Pages
 MaicknucleaR
 Marcelino Freire - Eraodito
 Marcelo Coelho
 Marcelo Montenegro - Orfanato Portátil
 Marcelo Sahea - Poesilha
 Marcelo Tas - Marcelotas
 Marcia Bechara
 Marcia Tiburi
 Marcio Américo - Meninos de Kichute
 Maria Alzira Blum Lemos - La Outra
 Mário Bortolotto - Atire no Dramaturgo
 Michel Laub
 Mina - Mina de Letras
 Nelson Peres - Escuta, Zé
 Nick Farewell - O Som e a Fúria
 Orlandeli
 Pagotto - É isso aí (ou não)
 Paula Klaus - Erva Daninha
 Paulo F. - Todo Mundo Quer a Vida Que Pedi a Deus
 Paulo Scott - Habitante Irreal
 Paulo de Tharso - Salvem o Félix 2
 Pierre Masato - Speakeasies Jukebox
 Raimundo Carrero
 Randall - Febre Alta
 Ricardo Myiake - Arquitetura das Palavras
 Rodrigo Garcia Lopes - Estudio Realidade
 Rogério Augusto - Além da Rua
 Sabina Anzuategui - Limas da Pérsia
 Soninha
 Tadeu Sarmento - Quartinho da Empregada
 Tainá Muller - RanchoCarne
 Tatiana Carlotti - Atalhos Urbanos
 Tereza e Luiz - Achados e Perdidos
 Tony Monti - Exato Acidente
 Tulipio - Boteco do Tulipio
 Xico Sá - O Carapuceiro
 Yoani Sánchez - Desde Cuba
 Wilson Neves - Snowbros - Arte Livre
 Alan Moore e 'Lost Girls'
 Além da Imaginação Brasil
 Arquivo 68
 Bagatelas
 Blônicas
 Blog dos Quadrinhos
 CBL - Câmara Brasileira do Livro
 Celebrity Movie Archive
 Centro de Documentacion y Archivo
 Cidadão do Mundo
 Cinema com rapadura
 Cahiers du Cinema
 Clube da Mafalda
 Confraria do Vento
 Cronópios
 Diversos Afins
 Doctor Macro Movie Scans
 Entrelivros
 Etcetera
 Germina
 Guia Teatral
 Hammett Movies
 Grumo
 Jazz - Rádios Online
 Internet Movie Database
 Japan Sexy Girls Picture
 Lazanha
 Le Magazine Litteraire
 Le Monde Diplomatique Brasil
 Les Editions Gallimard
 Les Filles de L´Enfer - Scream Queens
 Literatura Online
 Muro
 Neorama
 Novae - Um Devir
 Omelete
 Platano Verde
 Portal Literal
 RoteirosOnline
 Rato de Livraria
 Second Language
 Semana Negra de Gijon
 Sibila
 The Encyclopedia of Women In Prison Films
 The New York Review of Books
 Veep